segunda-feira, 28 de julho de 2008

Osanyin

Revisado e aumentado em 18/setembro


Òsanyìn é a divindade que guarda os segredos das folhas sagradas, ervas medicinais e litúrgicas. Sua importância é primordial. O seu sacerdote é o Babá Olosayìn.

Comanda as folhas medicinais e litúrgicas, muitas vezes é representado com uma única perna. Cada Òrìṣà tem a sua folha, mas só Ossaim detém seus segredos. E sem as folhas e seus segredos não há àse, portanto sem ele nenhuma cerimônia é possível.

Saudação: Eu! Eu!

Dia da Semana: Segunda - feira

Número:
07 e seus múltiplos

Cor:
Verde Claro, ou em alguns casos o branco e amarelo

Guia:
01 conta verde e 01 conta branca ou 01 amarelo e 01verde

Oferenda:
carne de porco, farinha, folhas de deste Òrìṣà, ou pipoca e 02 iapeté (batata inglesa esmagada com azeite-de-dendê, a qual se dá forma de cabaça) um com casca e outro sem.

Alguns Oriṣás Òsanyìn
cultuados entre os templo do segmento Nàgó’Kọbi:

Delé = mais novo –  (sua cor branco e verde 1 x 1)

Aroni
= mais velho – Eventual companheiro de Ossaim. Figura anã que como Saci Pererê traz sempre um cachimbo e anda de uma perna só. Compartilha com Ossaim o Axé das folhas. Ele é o responsável por causar o terror em pessoas que entram na floresta sem a devida permissão. Além de anão, possui um olho pequeno e o outro grande (vê com o menor) e tem uma orelha pequena e a outra grande (ouve com a menor). Muitas vezes Aroni é confundido com o próprio Ossaim, que, segundo dizem, também possui uma única perna. (sua cor verde)

Serebuá
= Quem guarda os segredos mágicos das folhas, ele quem recebeu o encanto

Modum
= Velho feiticeiro, quem conhece e fala com as arvores e os antigos moradores encantados das matas mágicas.

Ferramentas: coqueiro, muleta, bisturi, cágado, moedas e búzios, sua ferramenta tem uma haste central com um pássaro na ponta, do meio dessa haste saem sete pontas.

Ave:
Galo arrepiado ou de pescoço pelado ou galo branco

Quatro pé:
Cabrito malhado claro


Ìtàn Òrìṣà (Lendas dos Orixás)

Òsanyìn dá uma folha para cara Òrìà
Òsanyìn, filho de Nanã e irmão de Oumarê, Ewá e Obaluayê, era o senhor da folhas, da ciência e das ervas, o Òrìsà que conhece o segredo da cura e o mistério da vida. Todos os Òrìàs recorriam a Òsanyìn para curar qualquer moléstia, qualquer mal do corpo. Todos dependiam de Òsanyìn na luta contra a doença. Todos iam à casa de Òsanyìn oferecer seus sacrifícios. Em troca Òsanyìn lhes dava preparados mágicos: banhos, chás, infusões, pomadas, abo, beberagens. Curava as dores, as feridas, os sangramentos; as desinteiras, os inchaços e fraturas; curava as pestes, febres, órgãos corrompidos; limpava a pele purulenta e o sangue pisado; livrava o corpo de todos os males.

Um dia Ṣàngó, que era o deus da justiça, julgou que todo os Òrìà deveriam compartilhar o poder de Òsanyìn, conhecendo o segredo das ervas e o dom da cura. Ṣàngó sentenciou que Òsanyìn dividisse suas folhas com os outros Òrìà. Mas Òsanyìn negou-se dividir suas folhas com os outros Òrìàs. Ṣàngó então ordenou que Oyá soltasse o vento e trouxesse ao seu palácio todas as folhas das matas de Òsanyìn par que fossem distribuídas ao Òrìsà. Oyá fez o que Ṣàngó determinara. Gerou um furacão que derrubou as folhas das plantas e as arrastou pelo ar em direção ao palácio de Ṣàngó. Òsanyìn percebeu o que estava acontecendo e gritou: ”Euê uassá!” “As folhas funcionam!”

Òsanyìn ordenou que as folhas voltassem às suas matas e as folhas obedeceram às ordens de Òsanyìn. Quase todas as folhas retornaram para Òsanyìn. As que já estavam em poder de Ṣàngó perderam o Àṣe, perderam o poder de cura.

O Òrìṣa-rei, que era um Òrìsà justo, admitiu a vitória de Òsanyìn. Entendeu que o poder das folhas devia ser exclusivo de Òsanyìn e que assim devia permanecer através dos séculos. Òsanyìn, contudo, deu uma folha a cada Òrìṣà, deu uma ewè pra cada um deles. Cada folha com seus Àṣe e seus ofós, que são as cantigas de encantamento, sem as quais a folhas não funcionam. Òsanyìn distribuiu as folhas aos Òrìṣa para que eles não mais o invejassem. Eles também podiam realizar proezas com as ervas, mas os segredos mais profundos ele guardou para si.

Òsanyìn não conta seus segredos para ninguém, Òsanyìn nem mesmo fala. Fala por ele seu criado Aroni. Os Òrìṣà ficaram gratos a Òsanyìn e sempre o reverenciam quando usam as folhas.
(Mitologia dos Orixás p. 154)

Òsanyìn é mutilado por Òrùnmílá
Òsanyìn vivia numa guerra não declarada contra Òrùnmílá, procurando sempre enganá-lo, preparando armadilhas, para transtorno do velho.

Um dia Òrùnmílá foi consultar Ṣàngó para descobrir quem seria aquele inimigo oculto que o atormentava, Ṣàngó aconselhou-o a fazer oferendas, devia oferecer doze mechas de algodão em chamas e doze pedras de raio, edum ará, se isso fosse feito, seria desvendado o segredo.

Ao iniciar o ritual, Òrùnmílá invocou o poder do fogo, no mesmo momento, Òsanyìn andava pela mata procurando novamente algo para enfeitiçar Òrùnmílá, Òsanyìn foi surpreendido por um raio, que lhe mutilou o braço e a perna e o cegou de um olho.

Òrùnmílá seguiu para o local onde se via o fogo e ouviu gemidos do aleijado, ao tentar ajudar a vítima, encontrou Òsanyìn, descobrindo por fim quem era seu misterioso inimigo.
(Mitologia dos Orixás p. 160)

Òsanyìn recusa-se a cortar as ervas miraculosas.
Òsanyìn era o nome de um escravo que foi vendido a Òrùnmílá. Um dia ele foi à floresta a lá conheceu Aroni, que sabia tudo sobre as plantas. Aroni, o gnomo de uma perna só, ficou amigo de Òsanyìn e ensinou-lhe todo o segredo das ervas. Um dia, Òrùnmílá, desejoso de fazer uma grande plantação, ordenou a Òsanyìn que roçasse o mato de suas terras. Diante de uma planta que curava dores, Òsanyìn exclamava: "Esta não pode ser cortada, é as erva as dores". Diante de uma planta que curava hemorragias, dizia: "Esta estanca o sangue, não deve ser cortada". Em frente de uma planta que curava a febre, dizia: "Esta também não, porque refresca o corpo". E assim por diante.

Òrùnmílá, que era um babaláwo muito procurado por doentes, interessou-se então pelo poder curativo das plantas e ordenou que Òsanyìn ficasse junto dele nos momentos de consulta, que o ajudasse a curar os enfermos com o uso das ervas miraculosas. E assim Òsanyìn ajudava Òrùnmílá a receitar a acabou sendo conhecido como o grande médico que é.
(Mitologia dos Orixás p. 152)

Bibliografia consultada 
PRANDI, Reginaldo, Mitologia dos Orixás, Companhia das Letras, 2008
VERARDI, Jorge, Axés do Rio Grande do Sul, Editora Palloti Ltda. 1990

Um comentário:

  1. Me permitam contribuir.
    Pelo que tenho visto há uma certa confusão sobre Ossanyin no Djèdjè por conta das matrizes Maxi e Fon Gbe.
    Se no Maxi ele é Vòdún Ague no Fon Gbe está mais para Toy Alogue, Vòdún da família Dambirá.
    Pelo que tenho conversado com as senhoras dirigentes da Casa das Minas o processo sincrético entre o Fon Gbe e o Yorubá quase inexiste. Uma das maiores provas é Noche Sogbo - Vòdún feminino no Fon Gbe e tido apenas como masculino no Yorubá, um tipo de Sango.
    Se caminharmos um pouco mais veremos a contradição também entre Aziri Tobossi e Tobossi.
    A primeira tida como uma Osun e a segunda princesa Djèdjè ligada a um Vòdún.
    Penso que é hora de mostrarmos um pouco mais dessa riqueza multi cultural.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir