quinta-feira, 9 de setembro de 2010

O banquete dos Òrìṣà

A cultura religiosa Yorùbá no Brasil, gira em torno à comida que vai dos rituais de iniciação (Oribibọ, Bọrí e Feitura), Arissum e rituais para Egungun, festivais e grandes festas. Todas são regadas de comidas e muita fartura, algumas destas até são produzidas bebidas especiais.

jẹ- comer (sentido geral).
jẹun - tomar comida para si.
ìjẹun - o ato de estar alimentando-se
õn´jẹ - comida (sentido geral)
ìbáje ou àbáje - comer em companhia de outra pessoa (não confundir com bàjé: estragado, tido erradamente por menstruação na diáspora)


Cada ritual exige determinada comida que deverá ser oferecida às divindades e ou convidados. Não deixando de lado as intervenções ou proibições que os adeptos da religião recebem como não comer algumas comidas ou determinados alimentos como o Dendê, Mel, Ovos e etc...

Muitas destas comidas produzidas durante os rituais são oferecidas aos convidados e adeptos durante o toque, nas paradas para descanso ou ao final de cada celebração. Muitas vezes os banquetes são gigantescos servindo muitas aves, cabritos e carneiros, dependendo da nação ou ritual.

A modernidade dos tempos fez com que os costumes mudassem, hoje em dia chegamos a ver garçons servindo "estrogonofe, batatinha e arroz com uma bela salada grega", se engana quem disser que não faz parte do culto afro-brasileiro, claro que faz, apenas é preciso deixar claro que algumas comidas do nosso dia-a-dia fazem parte do culto, porem são restritas a determinados rituais como o Arissum.

Para quem não sabe do que se trata o Arissum, é o ritual para preparar o Láilẹ̀émi (aquele que não tem mais respiração, o falecido) para o novo estado, ele deverá se desligar do mundo dos vivos e voltar para o Ọ̀run, abandonando a personalidade existencial e reintegrando-se para viver sua personalidade eterna. Muitos destes rituais levam sete ou ate mais dias, alguns chegam a durar ate três meses dependendo do grau do iniciado ou “Status” a que ele pertença.

Durante o Arissum será preparada comidas para determinados Òrìṣà, Láilẹ̀émi e para Egungun, uma das primeiras vezes que participei, tive a paciência de contar quantas e quais pratos foram oferecidos, chegou a quase 170 pratos, entre eles alguns da última ceia do próprio Láilẹ̀émi.

Comida para Egungun
- àgbò (carneiro)
- Ẹyẹlẹ́ (pombo)
- Ọ̀ọ̀lẹ̀ also called mọ́yín-mọ́yín (bolinho cozido, feito com feijão)
- Àkàrà (bolo frito, feito com feijão)
- Omi tútù (água fria)
- Ẹmu ọ̀pẹ (vinho de palma)
- Obì abata (semente de cola nstiva Yorùbá)
- Oúnjẹ ti ẹnu BA n´jẹ (todas as comidas comestíveis)


Como puderam ver, todas as comidas que servimos à mesa fazem parte deste ritual, desta forma muito difícil o convidado verá “quibe, coxinha, arroz doce, galinhada, empadinhas, etc” sendo servidos durante os toques tradicionais da cultura Afro-brasileira.

Faz parte da tradição deste povo oferecer durante um toque as comidas oferecidas às divindades homenageadas ou aquelas que são os alicerces da casa religiosa, como as comidas a seguir;


Bara Frangos e cabritos sacrificados para esta divindade misturados a uma deliciosa farofa de mandioca.
Além do Aṣoṣò – milho cozido com coco fatiado em cima.


Ògún – minha família costuma oferecer os frangos e cabritos como acima citado, não esquecendo também da tradicional costela de Boi assada (acreditamos que tanto o Ògún quando o Odé costumam comer caça)

Porem poderemos ver nas mais tradicionais casas da cultura Yorùbá uma boa feijoada para Ògún.

Oyá - Àkàrà (Acarajé como é conhecido) um delicioso bolinho á base de feijão fradinho, todos adoram, apenas aqueles que possuem Ewó do Epo-pupá não comem.

Também costumamos oferecer batata doce cortada em rodelas e fritas no azeite doce, algumas vezes fritamos e temperamos com alecrim esta batata doce.


Ṣàngó – O tradicional Àmala, porem fazemos este prato muito diferente da maioria das casas, cozinhamos carne de peito de Boi ou carneiro, desta água que foi cozida separamos uma quantidade de água para o pirão (imprescindível), adicionamos folha de mostarda (costume adquirido pelo avatar da nossa nação), montamos o prato e ao final dele enfeitamos com algumas frutas, que deixam aquela aroma delicioso ao mais famoso Àmala da nossa nação.


Odé – Todos sabem que a caça pertence a esta divindade, por isso sempre encontrarão bichos assadas como acima citados durante os toques, sem esquecer do acara (raiz) e feijão miúdo que pode ser torrado a ponto de moer.


Otim – Come o mesmo que Odé.

Obá – fazemos uma bela salada de milho de canjica amarela misturada com feijão miúdo muito bem temperada.

Ossaniyn – servimos as aves e quatro pés da mesma forma que citado acima.

Xapanã – farofa de charque, muito bem temperado, oferecemos também farofa de amendoim doce ou salgada, não esquecendo que é costume da nossa família oferecer feijoada para esta divindade.

Ọ̀ṣun – Omolokun - comida preparada a base do feijão fradinho, muito bem temperada com cheiro verde, camarão e cebolas e ovos cozidos por cima, não temperamos nada para Ọ̀ṣun com Epo-Pupá.

Aoro – farofa de milho com couve fatiada muito fina.

Yemanjá – Peixe assado ou cozido e frutas.

Òṣàálá – Pães brancos de todas as qualidades e frutas.

Em algum tempo houve uma mistura dos rituais e talvez por consequência da existência do Bọrí antecipando uma feitura que os doces incorporaram nos rituais, é nosso costume arriar comidas para um Bọrí, neste mesmo ritual adicionamos muitas frutas e doces, quando existe um toque não deverá faltar doces. A principio para a Orí e sem esquecer também de Igbeji que faz parte do nosso Irunmolé e consequentemente será servido doces variados nos intervalos para os visitantes e os filhos da casa.

Por Erick Wolff∞

11 comentários:

  1. Belo texto parabéns,adorei o seu blog !
    Magda de oxum Epandá

    ResponderExcluir
  2. parabéns pelo seu belo trabalho. esse é o sentido de usarmos um orkut. beijus berê de oxum

    ResponderExcluir
  3. Parabéns Pai Erick, fomos irmâo na bacia de LUIZ DE OSÚN gostaria muito de saber como preparar á Aoro ! Muito bom trabalho !!!

    ResponderExcluir
  4. maravilha. ja estou preparando para festa de tranca rua que faço sempre em novembro.
    um forte abraço parabens. comtinua assim.

    ResponderExcluir
  5. estas de parabens por pai leoni de ogun ojugbede grande abraço caro irmão .

    ResponderExcluir
  6. ME DESCULPA SEI QUE QUEM FEZ ESTE BLOG, FOI COM BOA INTENÇÃO, MAIS SO ACHO QUE CERTO RITUAIS AINDA TEM QUE SER MANTIDOS DENTRO DA RELIGIAO. DAQUI UNS ANOS QUEM NUNCA PASSOU PELOS FUNDAMENTOS ESTÃO FAZENDO RELIGIAO SEM PASSAR POR TODOS OS O RITUAIS. NAO VEJ AISTO COMO CRITICA!PORQUE CADA UM TEM UMA VISÃO EM SUA VIDA E FAZ O QUE QUER.

    ResponderExcluir
  7. Caro Valter,

    Agradeço sua atenção, e foi justamente pensando na cultura e no entendimento da religião que criei este site, afinal as pessoas não podem viver apenas de dùbúlè, ejé e sire, eu acredito que no conhecimento e através da cultura os mais novos irão aprender mais sobre a religião, mais sobre a própria realidade espiritual, o que eu vejo na verdade é a tentativa de manter o conhecimento entre o sacerdote, ao contrario disso eu acredito e confio que através da cultura e do bom caráter uma casa prospera de verdade...
    E o que foi postado de fundamento aqui?
    Se isso for o fundamento de uma casa com certeza a religião está perdida e chegando o final dela.

    A religião é muito mais do que postamos aqui... a verdadeira religião é feita com fundamento e conhecimento, que não machuca ninguém.

    grato pela visita.

    ResponderExcluir
  8. Motumbá! Linda postagem! Parabens, dessas que dá água na boca de ler. Abraços

    ResponderExcluir