quinta-feira, 27 de julho de 2017

ALAAFIN ADVERTE ARABA YEMI ELEBUIBON: “PARE DE INTERFERIR NAS ATIVIDADES DA RELIGIÃO TRADICIONAL EM OYO”.

De Bode Durojaiye.
27/07/2017



O Alaafin de Oyo, Oba [Dr.] Lamidi Olayiwola Adeyemi, descreveu a antiga cidade de Oyo como o baluarte da cultura tradicional yoruba na Nigéria.

Dito pelo Oba Adeyemi na segunda cerimônia de graduação do Ifa Heritage Institute aprovado pela UNESCO e estabelecido na cidade de Oyo. Ele ainda salientou que o fundamento religioso das tradições yorubas e da cultura está atualmente sob ameaças graves impostas pelas religiões estrangeiras em África, piorando que as condições socioeconômicas.

A criação de políticas econômicas neoliberais continua a empobrecer muitos os estados africanos. Segundo ele:

"as religiões estrangeiras estão se alimentando disso para pregar o evangelho da prosperidade individual e do bem-estar na Terra. Eles abandonaram a doutrina anterior das negações das coisas terrenas em troca das bem-aventuranças do céu. Com sua nova abordagem, ele tem doutrinas enganosas e dezenas de africanos são encorajados a desrespeitar, desonrar e abandonar qualquer coisa africana. As crenças religiosas africanas são demonizadas e descartadas na medida em que alguns africanos equivocados abandonam seus nomes de família com preferência a outros nomes sem suportar os seus antecedentes. Este perigo é iminente e já está destruindo a personalidade e confiança dos africanos".

Lamentando que seja comum para praticantes da religião tradicional serem vilipendiados, perseguidos e culpados pelo subdesenvolvimento de suas sociedades, Oba Adeyemi expressou forte indignação com a colonização europeia e sua hegemonia:

"A colonização da África foi de fato um projeto cultural, enquanto as culturas hegemônicas da Europa realmente se propuseram a destruir outras culturas e super-impor suas próprias culturas e valores sobre os povos para perpetuar a relação de desigualdade ''. Apesar dos ataques, o soberano supremo argumentou que a cultura dos africanos demonstrou sua resiliência e além dessa relevância em um mundo incomodado e confuso. A cultura Yoruba está se espalhando hoje e atraindo muitos estudos. Foi dito que o Yoruba é o africano mais estudado da civilização e atraiu a atenção do maior número de estudiosos, levando à produção de um número impressionante de publicações ''.

O Alaafin também avisa o renomado sacerdote de Ifa, Yemi Elebuibon, pelo que ele chamou de: “suas declarações desmedidas e intrusivas nas atividades da religião tradicional de Oyo, especialmente a adivinhação de Ifa”. Ele disse:

"É amplamente conhecido que a cidade de Oyo foi a capital de um dos os maiores impérios africanos. Como tal, foi diretamente responsável pela difusão da cultura yoruba, tradições e crenças ao longo da África Ocidental, cobrindo um grande território que se estendeu da Sudoeste da Nigéria para Benin, Togo, até o Gana. A mesma herança cultural foi mais tarde difundida através das rotas de escravos transatlânticas para as Américas e para o Caribe e preservado de geração em geração até ao dia de hoje ".

Oba Adeyemi advertiu o sacerdote de Ifa para avisar os seus chamados “membros do comitê de cultura e tradições”, para que:

“Limitem a sua interferência injustificada ao Estado de Osun onde eles estão locados, e que parem de se intrometer nas atividades dos praticantes da adivinhação de Ifa na cidade de Oyo ''.

Lembre-se que os anciãos dos adoradores da religião tradicional sob o comando do comitê dos embaixadores responsáveis pela Luta pela Cultura e Religião Tradicional, defenderam três sacerdotes do Ifa acusados de representar falsamente o Alaafin de Oyo, Oba Lamidi Adeyemi e extorquir alguns estrangeiros praticantes de Ifa. Os sacerdotes foram acusados de dar título de chefe de “Oba Ifa Adimula da América do Sul " a alguns estrangeiros.

Eles também foram acusados de forjar certificados de título que foram dados sem o consentimento do Alaafin, a:

Franciva Leoa Nobres, a quem eles batizaram de “Ifatowo Adebayo”;
Dasiel Guerra, batizado como “Awotunde Ajisola”;
José Lara, batizada com o nome “Ifakayode Falade”.

Os sacerdotes, membros e líderes do Templo Ijo Ifa Adimula, Bara, Oyo, teriam atraído suas vítimas através da Internet e recebido valores de dinheiro não especificados em moeda estrangeira com a promessa de que o Alaafin lhes conferiria títulos.

Em uma conferência de imprensa em Osogbo, capital do estado de Osun, o presidente do grupo, Araba Ifayemi Elebuibon, disse que os sacerdotes, Ikusanu Faleye, Fasola Olaniyan e Olaniyan Awoyemi, eram babalawos notáveis na cidade de Oyo e pessoas respeitadas na comunidade de Orisa em todo o mundo e que não eram sacerdotes falsos, como relatado.


Elebuibon disse que:

“Na prática de Ifa, o título de Araba / Oluwo de uma cidade é o título mais alto na religião de Ifa, e o único título conferido a um babalawo, pelo Oba, a um sacerdote apresentado pela comunidade de Ifa daquela cidade, e o rei exerce autoridade sobre seu domínio. Estes sacerdotes representam um Templo Ifa na cidade de Oyo.
Há muito tempo, que os sacerdotes têm a prerrogativa de lidar com alguns assuntos sem a permissão expressa dos Obas. Então, os Obas também têm algumas prerrogativas e direitos exclusivos sem informar os sacerdotes Ifa.
No entanto, existem muitos outros assuntos que exigem uma interação entre os Sacerdotes de Ifa e Obas para que paz e tranquilidade reinem na sociedade".

_______________________________________________________________
Publicado na página oficial do Alaafin Oyo Oba Adeyemi III, no Facebook. Acessado em 27/07/2017. Disponível em:
https://www.facebook.com/alaafinoyo/photos/pcb.1221741227952946/1221741151286287/

Nenhum comentário:

Postar um comentário