quinta-feira, 13 de julho de 2017

CRIME DE ULTRAJE A CULTO RELIGIOSO E PRECONCEITO RELIGIOSO

Por Baba Erick Wolff de Oxalá
13/07/2017



Muito bom perceber que os advogados começaram a aplicar a lei adequadamente, chegava a ser cansativo ver as comunidades afro-religiosas perderem os processos, sabendo que só alegavam racismo para chamar atenção da sociedade.

Sabemos que intolerância, ou crimes contra uma religião não caracteriza racismo, um gancho que alguns advogados insistiam tanto em grifar em suas ações, que sempre acabavam em nada, justamente quando mais precisávamos de alertas e atenção para os crimes que eram frequentes.

Infelizmente nestes anos, pouca coisa mudou, pelo contrario, os crimes contra as religiões afro-brasileira cresceram e a impunidade aumentou, esperança que mude a situação e nos respeitem mais.

No ultimo final de semana a senhora Rosi Menezes, adentrou o templo religioso da sacerdotisa Francine Christina França Simões, que alem de desferir ofensas e incomodar os presentes, alem tentar agredir fisicamente a sacerdotisa, sob berros de que ali era o lugar de demônios. 

Isso nos faz pensar na realidade a qual nos encontramos, onde a população envolvida por um fundamentalismo religiosos perdeu a referencia e o respeito pelas religiões de matrizes Africana, e ou, o motivo ao qual leva estas pessoas a pensarem que um templo de Umbanda, Batuque ou Candomblé sejam habitações ou locais de culto adoração ao demônio?

O que importa é que a nossa sociedade precisa se adequar à realidade do novo século, e existe a necessidade de praticar mais tolerância e boa convivência entre as religiões. 


Fonte da materia - http://correionago.ning.com/m/blogpost?id=4512587%3ABlogPost%3A400604

Nenhum comentário:

Postar um comentário