terça-feira, 10 de abril de 2012

Setilu (Agboniregun) e o oráculo de Ifá




Por Erick
Òòsàálá
11/04/2012



Ifá
é um sistema oracular, um princípio de adivinhação e interpretação através de 16 signos deste sistema chamados de Odù, que foram introduzidos por Setilu[1] na dinastia Odùdúwá, sabe-se que ele foi um grande sacerdote que apesar de cego, deu início ao sistema oracular de comunicar-se com os Odù e as Divindades africanas, dando inicio ao cargo de Bàbáláwo.

Segundo Jonshon, History fo the Yorubas, Setilu seria de origem Nupe, e que, no início, a geomancia de Ifá era jogado com pedras, que depois foram substituídas pelas sementes de palmeira (ikin).

Cada Odù é abstrato e não possui Ara (corpo), ou seja, diferentes das divindades Africanas, nada mais são que mensagens dos pensamentos de Olódùmarè, em estados positivo ou negativo, estas mensagens recebem o nome de itàn.

Entre a maioria das religiões afro-brasileiras os oráculos recebem influência do sistema apresentado e desenvolvido por Setilu, baseando nas mensagens dos Odù e suas combinações, adaptadas para o culto ao òrìsà, desta forma são possíveis analisar e determinar os desejos e mensagens anunciadas através do sistema oracular para o consulente através do sacerdote.

Porem é preciso destacar a cultura Afrosul e seu sistema oracular, baseado na leitura vinculada apenas ao òrìsà, este sistema dispensa os Itán e o estado de cada Odù, desta forma a base oracular do Nàgó Afrosul segue apenas a posição e a vontade das divindades cultuadas por este povo, sem o vínculo com o sistema de Ifá, fundado por Setilu.

A origem religiosa da nação Nàgó foi o culto a Òrìsà, tendo Olódùmarè como o centro do estado religioso, porem Olódùmarè não interage com os seres humanos, criando algumas divindades para auxiliar esta divindade quanto aos seres humanos.  (Johnson)

Sendo assim é possível notar que a cultura Yorùbá, era voltada para o culto ao òrìsà, com a vinda de Odùdúwá e sua comitiva, teve-se o início da nova cultura religiosa trazida por Setilu. Baseado nisso, que o sistema oracular Afrosul segue o sistema voltado apenas para òrìsà, dispensando o sistema tradicional que envolve a maioria das afro-brasileiras. Desta forma notamos que a humanidade primeira aprende a contar, criando assim um oráculo voltado para comunicar-se com os órìsà, através do método Ìkà[2] = O bà ni Ìkà “aquele que abaixa e faz conta”, ou, “o que se lança para contar”, tradução livre do informante Luiz L. Marins

Após, a humanidade aprende a ler e riscar sinais, criando parábolas através do método Ìlà = O rù n’ mi ìlà “aquele que carrega sinais” também uma tradução livre do informante Luiz L. Marins.
  
Outro ponto interessante a destacar é que a divindade vinculada ao ritual Afrosul é cega idêntica a Setilu, que enxerga através do sistema oracular. Que foi aglomerada e cultuada entre os Òòsàálá desta cultura, sem falar que esta divindade usa preto e branco, uma intervenção gravíssima à Òòsàálá, ou seja, muito difícil veremos um Òòsàálá carregando preto. O que pode ter havido de confusão no começo da organização desta cultura é a confusão entre Setilu e Orunmiláia.

Nota - Este ensaio é apenas uma suposição, pois não existem dados que relatem a relação entre Orumiláia (na cultura Afrosul) e Setilu.


[1] Setilu - foi um grande sacerdote da época Odùduwà quem iniciou e ensinou os segredos dos Odù, dando o nome de Ifá, iniciando grandes sacerdotes na cultura de Ifá, dando a origem ao cargo de Bàbáláwo (pai, senhor dos mistérios). [Johnson]

[2] Ìkà – método de contar e calcular.


Bibliografia
HE HISTORY OF THE
YORUBAS
From the Earliest Times to the Beginning of the
British Protectorate
BY
The REV. SAMUEL JOHNSON

Nenhum comentário:

Postar um comentário