quinta-feira, 1 de julho de 2010

A pureza do espírito

Angelina Jolie falou sobre as tendências masculinas que sua filha de 4 anos, Shiloh, em entrevista à “Vanity Fair”. Que deverá ser publicada em agosto, antes mesmo de sair à entrevista, a sociedade puritana já ataca a atriz, dizendo que não passa de uma jogada de marketing pessoal, exposição de menor ou oportunista.

Entre tantos tópicos no Orkut eu resolvi produzir um material informativo ou pelo menos conceitual. Eu acho que é preciso fazer algo, que precisamos discutir muito e levantar pontos aos quais as pessoas não deram a devida atenção, ou simplesmente jogaram para de baixo do tapete, como se fosse sujeira...

O universo religioso se divide entre vários caminhos, neles podemos encontrar os que acreditam nos espíritos e suas polaridades macho e fêmea. Destes segue a cultura Yorùbá com os ancestrais masculinos cultuados com o nome Egúngún (ancestrais masculinos), e as mulheres cultuadas recebem o nome de Ìyámi Agbá (minha mãe anciã), partindo deste ponto devo considerar que existe um sexo polarizando cada um dos ancestrais.
Segundo o conceito espírita, estes acreditam que os espíritos possuem as duas polaridades e não se dividem entre macho e femea, mas se contradizem, porque os seus mentores (a maioria do sexo masculino) apresentam-se como homens ou mulheres e não carregam ambos os sexos, escolhendo apenas um sexo para trabalhar nas sessões espirituais. Por tanto eu chego e ter muita dúvida sobre a opinião e concepção que cerca estes seguidores do espiritismo.


Indo na contra mão temos uma grande gama de religiões que acreditam que o contato com espíritos está ligado a demônios ou são pactos proibidos, destas vemos muitas críticas que assolam os espiritualistas e massacram seus dogmas e preceitos. Porem estudando este assunto durante anos eu consegui perceber que temos muitos poucos estudiosos sérios destas vertentes, que são imparciais para julgar este assunto ou apresentam materiais que possamos estudar e entender como pensam. Na maioria são fechados a documentos ou livros bíblicos que não embasam conceitos, mas criam mais dúvidas e conflitos.


Saindo das religiões para buscar fontes mais apropriadas sobre o tema eu tive oportunidade de deparar com experimentos da “AMORC”, muito respeitada e conhecida pelo mundo e apresenta um bom estudo sobre o tema e sem deixar influenciar-se por conceitos e ou dogmas religiosos. Eu acredito que foi o melhor material que encontrei.
Por mais estranho que pareça, para entender o que é um espírito sem uma visão própria segundo o conceito religioso da sua fé, é preciso considerar que as religiões do segmento espiritualista ainda estão galgando a evolução deste tema. Já a AMORC possui arquivos datados A.C. mais antigos que os próprios documentos que deram origem aos livros Bíblicos, quem sabe mais anosos que muitas culturas atuais sobre o tema. Conteúdo vindo de diversas culturas atuando como uma biblioteca universal que adita diversos conceitos que nos ajudam a trabalhar e a estudar.

Partindo da premissa que a base do estudo revigora o conceito de Deus, despido de uma religião como base de sua existência, a escola de mistérios “Rosa Cruz”, fornece um bom material para o tema. O ser humano consome a sua mente com dúvidas desde os primórdios, são perguntas como; “De onde viemos e para onde iremos”, agora imagina que para muitos estas perguntas jamais foram respondida, imagine quando surge uma terceira polaridade sexual no plano terreno?
O tema sobre sexualidade é muito polêmico e controverso, simplesmente porque ele abre as portas que as religiões querem fechar, para os padrões da sociedade. Devendo apenas existir o homem e a mulher, sendo que qualquer outro indivíduo que não se encaixe dentro destes padrões pré-estipulados será taxado como bizarro ou doente.

Falam-se muito nos “Direitos Humanos”, na “Dignidade Humana” e na “Igualdade dos Indivíduos”, mas não passa de teoria não empregada, pois o terceiro sexo existe e a cada dia se estende e amplia os seus braços, abrindo para todos os caminhos. A legislação reza que os direitos são para todos, mas negam o casamento entre membros do mesmo sexo, negando a união estável, alguns até dizem que o casamento é apenas para “Casais héteros”, explicando que o casamento é uma união sagrada apenas para o homem e a mulher... Negando o mesmo para os casais homossexuais... Com uma comparação medíocre forjando o casamento como sendo um ato para procriação, mas será somente isso mesmo?



Para os “Rosa Cruzes” existe uma unidade criadora que gera tudo que possamos imaginar, o "Macro e Micro Cosmos", segundo eles não existem almas novas, todas são muito antigas e estão em constante transição entre o mudo dos vivos e o espiritual, a chamada reencarnação, esta deve seguir um ciclo de alguns anos (média de 150 anos), entre uma e outra, como uma pequena engrenagem perfeita que mantém um movimento contínuo.

As considerações da evolução devem existir para que o ser humano possa aprender e quebrar os vínculos com os erros e os defeitos humanos, buscando a perfeição, mesmo esta sendo “Utópica”. Este processo é muito simples, os espíritos partem de uma única massa espiritual, a mesma que deu origem á todos os demais espíritos e ao próprio universo. O procedimento tem inicio assim que é determinada uma família ou a própria família para reencarnar, este espírito deixa o mundo espiritual e se torna um indivíduo vivo deixando de fazer parte deste plasma universal e iniciando uma nova vida.

Ao passar pela transição do mundo espiritual para o dos seres vivos, ele deixa para trás suas experiências e todo o seu conhecimento, começando do zero, isso se dá pelo choque da alocação do espírito no seu novo corpo, dois pontos importantes devem ser considerados;

1 – O espírito entrará no corpo terreno tão logo o bebê der o primeiro suspiro, assim o tal chamado sopro de Deus, dá a oportunidade para o espírito penetrar no corpo insuflado através das narinas do recém-nascido.
2 – O espírito seguirá o seu destino no corpo terreno, com livre arbítrio e deverá abraçar os conceitos e experiências da nova família a qual pertence.

Tudo que este indivíduo aprender durante a sua permanência na terra encarnado não se perderá com a morte deste corpo, será adicionado à consciência universal, onde comungam os demais espíritos. Acredito que muitos já devem ter ouvido falar sobre a consciência Arkástica que agrega o conhecimento universal comungando com todos e ao mesmo tempo sendo um todo.

Estes espíritos se misturam, mas não deixam de ser quem são, existe a consciência individual fazendo parte deste todo. E hoje eu vejo alguns cientistas fazendo experimentos com crianças para tentar entender o cérebro das mesmas muito antes da formação da personalidade, claro que contando que um indivíduo já nasce com os traços da sua personalidade estruturada, com o passar dos anos ela vai criando liberdade para expressar-se. Muito semelhante a este processo a “Rosa Cruz”, possui um procedimento durante os seus estudos que induz o estudante a observar as crianças e prestar atenção no que elas fazem na inocência, passando mensagens claras do que se tornarão quando crescer. Este processo pode levar alguns anos para que termine. Então é mais fácil o estudante tente rever toda a sua infância, com o máximo de detalhes, para que possa mais tarde confrontar com a atual profissão ou status social. Eu sou o que sou, pois carrego no meu DNA espiritual a eternidade do espírito, chamado de “Personalidade alma”.

Este procedimento nos leva a pensar que possuímos uma “Personalidade Alma”, que não se perde com a reencarnação, e podemos trazer os seus traços reencarnação após a reencarnação. Como uma peça de teatro que se muda o ator (corpo), no entanto o personagem é o mesmo, quantos atores interpretaram Romeu de William Shakespeare, sem perder o personagem, podendo mudar o teatro, a roupa, mas será sempre o Romeu.

Porem o que eu tenho percebido é que os estudiosos temem o assunto "homossexualismo", tanto quanto os sacerdotes, não entendo muito bem se chega a ser um mero tabu ou se realmente é algum traço de homofobia adormecida na consciência coletiva da sociedade.

Agora se existem apenas as polaridades "macho e fêmea", tenho muitas considerações a fazer, que geralmente incomoda muito a população religiosa.

1 – Desde que a mulher pediu independência e provou que possuía alma (negada pela igreja católica medieval), ela adquiriu a dignidade e passou a ser reconhecida como um indivíduo. Este com deveres e posição até mesmo nas religiões, poderemos encontrar vários nomes de grandes sacerdotisas na cultura afrobrasileira, porem muito limitadas na cultura Yorùbá.
A mulher deixou de ser uma maquina reprodutora para exercer um papel na sociedade”.
2 – O homem nasceu livre e sem credo, foi adquirir um credo por livre espontânea vontade ou lhe foi imposto por sua família, porem se o espírito escolheu nascer numa família que segue uma religião, ou ele veio para criar uma revolução ou para dar continuidade a aquele clã. Da mesma forma devo considerar que um indivíduo possui liberdade de ser quem ele realmente é.
Sem ser imposto pela sociedade, desde que siga as regras mínimas de não matar e não roubar”.
3 – Inibir os traços da personalidade de uma criança é entrar em atrito com o livre arbítrio da mesma, desta forma o indivíduo está cometendo o maior erro espiritual da sua vida, e entrando no caminho daquele que gerou.
Mudar o destino de uma pessoa impondo que ela seja o que ela não tem condições de ser, os grandes erros começam a ser criados”.

Se o mundo não está preparado para receber estes indivíduos e os mesmo não conseguem se adaptar ao planeta, realmente existe algo errado que deveria ser analisado e corrigido. Porem no caso destes indivíduos continuarem a existir e a sociedade não consegue se adaptar, então o erro pode está na sociedade e não com o curso natural do universo. Infelizmente na atual civilização contemporânea ainda encontramos pena de morte para “GAYS”. Não muito distante da nossa cultura, na própria terra onde surgiu a sociedade religiosa dos senhores do destino, meio contraditórios, mas é a mais dura verdade.

Os estudos revelam que o homossexualismo não é mais considerado uma opção sexual, muito menos doença, considera-se que ele pode ser desenvolvido ainda no útero. Os estudos levam a avaliar que o homossexualismo tem origem no Gene e não se desenvolve com o tempo e muito menos é contraído, então se for assim, devemos considerar que o homem pode nascer homossexual ou hétero.
Já na cultura Yorùbá – Nós vamos à casa de Àjàlá escolher a nossa Orí (cabeça – destino)-. Para que possam entender melhor este conceito é preciso entender o que é uma Orí, foi em 1980, um nigeriano chamado Doctor Eluyemi Omotoso, veio para o Congresso mundial de Òrìṣà, em Salvador, e leu um pequeno documento que dizia que Olódúmarè criava o homem sem Orí, e que depois de criado ele ia até a casa de Àjàlá pegar a sua Orí. A partir daí a cultura afro-brasileira nunca mais foi à mesma, - iniciou uma nova era de mulas-sem-cabeça -, [segundo o Luiz Marins, escritor]. Esta Orí abstrata que Omotoso se referia era Orí (destino), sem qualquer ligação com a cabeça (crânio) das pessoas.

Então se um indivíduo vem para a Àiyé (terra) com uma Orí carregando a ligação com os seus ancestrais, um destino pré determinado e o homossexualismo penetrado na sua vida, tudo isso foi sancionado por Olódúmarè, como Ọ̀rúnmìlà por testemunha, sendo assim, está muito claro que Olódúmarè não tem nada contra, são os homens que não querem os homossexuais presente. Pois é notório para qualquer um que se fosse um mero erro, já teria sido consertado ou eliminado nestes milhares de anos em que o homem está passando pelas reencarnações, e se Olódúmarè não aceitasse ou fizesse objeção ele com certeza já teria suprimido.

Outra hipótese é a qual o homem nasce com um destino, porem não é o sistema de Ifá que manipula os Odù para a criação dos Orí (destino) que o Àrà-Ọ̀run (corpo espiritual) vai pegar antes de nascer, pois quem realmente modela esta Orí é Àjàlá.

Sendo que Àjàlá faz é pegar um Ìpín do Ìpòrí de vários elementos e formar um Odù. Ifá-Ọ̀rúnmìlà é testemunha disso e sabe orientar o melhor caminho para lidar com estas energias que agem no Àrà-Àiyé. E para movimentar ou alterar estas energias usa o poder de Èṣù.
Um dos Ìpòrí que Àjàlá usa para fazer uma Orí (destino – Odù), é o Ìpòrí-Egun (ancestralidade), e é isto que determina nascermos nesta ou naquela família, sob certas condições sociais, no anonimato ou na realeza. Neste momento que entra a questão da orientação sexual.
Este destino não deveria mudar, mas chega a ser questionável, considerando que o conceito Yorùbá respeita o estatuto família, e tudo gira em torno desta, então não deveriam matar crianças ou abandonar a sorte aquelas crianças que ao jogar o Ìkọsẹ̀dáyé (técnica de consultar o Oráculo-I para saber o destino do recém nascido), o mesmo não anuncia bons presságios para os pais. Se Ifá muda tudo, o que acontece com aquelas crianças que são mortas quando nascem com um Odù ruim? Não seria o momento de mudar o destino destas crianças fazendo com que ele trouxesse bons prenúncios, se Ifá pode muda o destino não seria o momento de praticar?
Pelo que entendi, os homossexuais são banidos porque não constituem família, porque não geram prole, considerando que extermina a linhagem dos ancestrais, mas alguém já olhou para fora quantas crianças estão sofrendo sem lar e sem comida?
Não seria o exato momento de Ifá mudar o destino de uma criança abandonada sendo adotada e criada por um “Casal Homo”? Este seria o poder de mudar um destino ruim para uma possível vida prospera e digna, mesmo porque todos nós sabemos que a união não se dá apenas na terra, os nubentes entrelaçam famílias no Ọ̀run e no Àiyé, desta forma gerando novas famílias. Então não vejo porque deixar morrer tantas crianças se existe a possibilidade de um novo lar para estas crianças abandonadas e uma chance de estabelecer sucessão dar continuidade à família. Uma boa saída para dar continuidade a linhagem daquele individuo gerando um herdeiro e ao mesmo tempo salvando uma vida do destino cruel.

Seja uma questão espiritual tendo origem nas mãos de Àjàlá, ou se for um problema físico ele teve origem nas mãos de Obàtálá. De qualquer forma um dos dois deixou passar o homossexualismo e este pode ser administrado, não existindo a culpa do pecado cristão, que eu acredito que sugestionam muito os conceitos enraizados na cultura Yorùbá, por isso existe tanto conflito entre o bem e o mal... Deixando de lado os pré-conceitos, poderemos mudar apenas o destino existencial, aquele que vivemos aqui e agora, aqui mesmo na terra e durante a nossa permanência na mesma.
E para que possam entender melhor o que eu quero explicar;
1 - Devemos considerar que se o destino da homossexualidade foi adquirido na casa de Àjàlá,e sancionado por Olódúmarè, ele deveria ser aceito por todos e não repudiado. Sendo que o próprio criador deixou passar.
2 – Se não foi, e este foi escolha do Àrà-Àiyé (corpo terreno), então o Orí (destino - Odù) de Àjàlá, não vem com o nascimento. Por consequência é preciso repensar o que existe ou não existe de verdade, para que possamos chegar ao ponto inicial. Qual o real motivo de ser banido o homossexualismo da cultura Yorùbá?
E perguntar o por quê ele é repudiado?
Amorc – Antiga e Mística Ordem Rosa Cruz – Ano Rosa Cruz 3.363 - www.amorc.org.br

Por Erick Wolff8

Um comentário:

  1. O ori-destino que o araorun pega na casa de Ajala é abstrato e pode ser alterado no ayé, para melhor ou pior, não apenas por Ifá, mas também pelos ajogun e principalmente por Ìfé-òminira que acompanha okàn de cada arayé.

    Assim, não é Ajala que determina se um araye será ou não homosexual.

    ResponderExcluir